Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket O Tronco da Teia

quarta-feira, junho 30, 2004

9:02 da tarde
Mais uma noite a dormir pouco...



Cá está ela, a noiva, com a aliança e tudo. O casamento vai durar mais dois anos. Para o título falta menos de uma semana...

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

terça-feira, junho 29, 2004

8:30 da tarde
"I coulda had class. I coulda been a contender.
I coulda been somebody, instead of a bum,
which is what I am, let's face it."


Marlon Brando, diz o Guardian, está na miséria e vive da segurança social.

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

sexta-feira, junho 25, 2004

3:05 da tarde
O Euro da Teia
Épico como no cinema



A crónica do Portugal-Inglaterra no PÚBLICO diz tudo.


|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

terça-feira, junho 22, 2004

11:35 da tarde
Um post de descarado narcisismo e auto-promoção

"O Tronco da Teia", na pessoa do seu ideólogo, chefe de redacção, redactor principal, editor, web-designer e financiador (eu, Eduardo D. Madeira Jr.), vem desta forma agradecer ao Zombie, distinto webmaster d'o zombie comeu o meu blog, a distinção no concurso que promoveu durante a semana que passou. O referido concurso consistia em identificar personagens de vários filmes e aqui o vosso caro Eduardo D. Madeira Jr. foi o único concorrente a acertar em todos, sendo assim premiado pelo Zombie com a oferta de um DVD com um filme do grande Roger Corman (preparem-se para um post sobre ele num futuro próximo), que, ao contrário do que as personalidades costumam fazer nos concursos de televisão, não irá para obras de caridade. Portanto, caros leitores, aqui fica a prova que Eduardo D. Madeira Jr. (mais uma vez eu - avisei que seria um post narcisista) é mais que qualificado para a tarefa a que se tem dedicado de arqueologia cinéfila. Confiem em Eduardo, meus caros, ele sabe o que é bom... e mau.


|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

domingo, junho 20, 2004

8:03 da tarde
VITÓRIA!

Já está. Ganhámos a guerra! 1-0 frente aos espanhóis e seguimos em frente! Grande Nuno Gomes.

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

12:21 da manhã
A guerra

O filme do dia do Euro 2004: a minha avó diz que os espanhóis são uns velhacos e que o Figo está gordo. Agora que já falámos de futebol, voltemos ao cinema, que é o propósito deste blog.
Para hoje escolhemos um filme desse grande e incompreendido cómico chamado Jerry Lewis, adorado na Europa e desprezado/odiado/ignorado pelos americanos. Há quem diga que o Jim Carrey se inspirou nele (acho até que foi ele próprio que disse). Quanto a mim, já gostava de Jerry Lewis muito antes de Jim Carrey ser inventado.

“Onde Fica a Guerra?”
(“Which Way to the Front?)
Ano: 1970
Realização: Jerry Lewis
Elenco: Jerry Lewis (Brendan Byers III/Marechal de campo Erik Kesselring), Jan Murray (Sid Hackle), John Wood (Finkel), Steven Franken (Peter Bland), Robert Middleton (Colonico), Dack Rambo (Terry Love), Willie Davis (Lincoln), Harold Stone (General Buck), Paul Winchell (Schroeder), Sidney Miller (Adolf Hitler) e, para os trekkies, uma aparição especial de George “Mr. Sulu” Takei (Yamashita)
Disponível em VHS no estrangeiro. Pode ser que apanhem este filme numa sessão das cinco da manhã no canal Hollywood

Para mim era um daqueles filmes perfeitos para ver num domingo à tarde e que terei visto algumas cinco ou seis vezes. É incrível como alguns filmes ficam na memória. Este é um dos que me lembro melhor, apesar de já não lhe por a vista em cima há uma boa dezena de anos. E confesso, tenho um fraco por filmes onde os nazis são gozados.
“Onde Fica a Guerra?” é uma espécie de remake cómico daqueles “mission movies” de guerra tão na moda durante os anos 60 e 70 tipo “Os Canhões de Navarone”, “Os Doze Indomáveis Patifes” ou “O Desafio das Águias”. Juntava-se um grupo de homens – condenados à morte, especialistas em várias áreas de combate ou militares com vocação para serviços secretos – para uma missão impossível em teritório inimigo do género rebentar uma barragem, assassinar um general, libertar prisioneiros de guerra ou descobrir os planos da pólvora.
Neste caso foi um bando de rejeitados pelo exército com a missão de assassinar Adolf Hitler. Brendan Byers III (Lewis) é o homem mais rico do mundo mas incapaz para o serviço militar que resolve fazer a sua parte pelos aliados contra os nazis. O plano é tomar o lugar de um alto oficial alemão (que, supresa, é igualzinho a Lewis) e amigo pessoal de Hitler para assassinar o Fuhrer no seu bunker ultraprotegido – é impagável a cena final entre os dois. Como militares, Lewis e a sua troupe não convencem ninguém. Treinam em piscinas de luxo, usam uniformes azuis berrantes (acho que eram azuis, mas a memória pode estar a falhar-me) e disparam com metralhadoras douradas.
Muitos dizem que é um dos piores filmes de Jerry Lewis, que é de mau gosto, que não tem graça absolutamente nenhuma e que só os europeus é que são capazes de gostar. Como europeu, tomo isso como um elogio, embora ache que Jerry teve melhores momentos que este durante a sua carreira – incluindo o sublime filme de Martin Scorsese “O Rei da Comédia”, com Robert De Niro. Naturalmente que o filme foi um fracasso nos EUA e um sucesso na Europa.
Jerry Lewis voltaria ao tema da II Guerra Mundial, mas a coisa não acabou bem. “The Day the Clown Cried” era para ser o filme sério de Jerry Lewis. Antes de Begnini ter alcançado fama e glória internacional com “A Vida é Bela”, Jerry foi para a Suécia filmar a história de um palhaço alemão que é enviado para um campo de concentração onde terá por missão (involutária) de distrair as crianças judias antes de irem para as câmaras de gás. O filme, rezam as crónicas, foi quase o que “Apocalypse Now” foi para Coppola. Jerry teve de enfrentar muitos problemas de produção, incluindo questões sobre os direitos sobre o produto final, que – adivinharam – fizeram com que o filme nunca tivesse conhecido distribuição comercial.
Nas entrevistas que deu sobre o assunto, Jerry manteve firme a sua intenção de lutar pela distribuição do filme e sempre se mostrou do orgulhoso da obra que filmou e que muito poucos viram. O que existe do filme é um “rough cut” não editado e guardado num cofre de uma produtora qualquer. Há quem diga que é uma obra-prima, há que sustente que é um absoluto fracasso. O que se conhece do filme são algumas imagens e o “script”, que podem ser consultados no site Subterranean Cinema. É um dos filmes perdidos mais famosos de sempre. Gostava de o ver.

P.S. - Voltando ao Euro 2004. O jogo de hoje é, como o Scolari disse, uma guerra e a Espanha é o inimigo. Chamem-me patriota parolo, chamem-me futeboleiro básico, mas gosto de futebol e gosto do meu país. Força Portugal!

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

quinta-feira, junho 17, 2004

9:57 da tarde
O Euro da Teia
O apelo de Aljubarrota


Logo após a vitória portuguesa sobre a Rússia por 2-0 - que pobre herança do poderoso futebol soviético; os russos vieram para cá fazer tudo menos jogar futebol, como mostra aquela hilariante cena "a la" Monty Python da tradução em dois segundos de um discurso de cionco minutos - veio à lembrança de muita gente a memória da Batalha de Aljubarrota. "Aljubarrota é quando um português quer", escrevia o Prof. Marcelo nesse cantinho de jornalismo chamado "A Bola". Ora bem, será que o relvado de Alvalade vai conhecer o mesmo desfecho que aconteceu de 14 de Agosto de 1385 em que os gloriosos portugueses golearam os espanhóis de tal forma, que levaram 200 anos a tentar invadir-nos outra vez (com sucesso). Pode acontecer, eu acredito. Seja com um 4x3x3, um 4x4x2 losango ou a táctica do quadrado com a Ala dos Namorados a jogar à esquerda e o Cristiano Ronaldo em vez do Simão. É pena a padeira (Pauleta) estar em baixo de forma.


|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

segunda-feira, junho 14, 2004

9:24 da tarde
A eterna dúvida


A cena é de “Ladrão de Casaca” (“To Catch a Thief”), de Alfred Hitchcock. Pergunta Grace Kelly a Cary Grant durante um piquenique num local reservado e escondido com vista para a Riviera. “Do you want a leg or a breast?” (“O peito ou a perna?”). Cary Grant responde: “You make the choice.” (“Escolha você.”). Pergunto agora aos leitores, nestas condições e com uma interlocutora como Grace Kelly, quem é que teria a coragem de dizer que não gosta de frango?

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

sábado, junho 12, 2004

9:45 da tarde
Danos colaterais

O efeito mais inesperado da realização do Euro 2004 em Portugal: a estreia de "Harry Potter III" na ocidental praia lusitana foi adiada para Julho, mais precisamente para dia 29, de acordo com o imdb.com. Indonésia, Emirados Árabes Unidos, Hong-Kong, Islândia e Malásia vão ver o filme antes dos portugueses, não que esteja muito preocupado com isso. Diz a distribuidora que a estreia foi adiada porque em Portugal vai estar tudo atento ao futebol enquanto durar o Euro e ninguém vai ter tempo para ir ao cinema. Naturalmente que a Warner não contava com a carreira portuguesa no Euro, que, pela amostra do primeiro dia, se arrisca a ser curta.

Muitos ais
Euro 2004 - o filme do dia


Continuando a não exaustiva e pouco rigorosa cobertura de "O Tronco da Teia" ao Euro 2004, Portugal perdeu com a Grécia por 2-1, a dar o melhor seguimento ao que já tinha feito no Mundial 2002 e a cumprir as melhores expectativas dos seus adversários - já agora, a Espanha ganhou aos russos por 1-0. Depois dos ais que se foram ouvindo durante o jogo, agora há mais uns quantos que se juntam à lista: ai que eles vão perder com a Rússia, ai que eles não passam da primeira fase, ai, ai que os espanhóis se vão fartar de gozar connosco, ai, ai, ai...

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

1:01 da manhã
O Euro da Teia

Hoje começa o Euro 2004, uma data que "O Tronco da Teia" não quis deixar passar em claro:

"O dia começou mal, e tarde, porque aterrei em Madrid às seis e trinta, fazia muito calor e durante o trajecto até ao Hotel Palace o taxista insistiu em atirar-me com uma lengalenga sobre o campeonato europeu de futebol. Deu-me vontade de lhe apontar à nuca o cano de uma quarenta e cinco para lhe calar o bico, mas não tinha comigo nenhuma fusca e, além disso, um profissional não se envolve aos tiros com um cretino, mesmo taxista."

Luis Sepúlveda, Diário de Um Killer Sentimental

Pois é, se derem por vocês a não ouvir falar de outra coisa que não seja o Europeu de futebol, resistam à vontade de sacar da fusca do bolso e mandar desta para melhor a pessoa mais próxima. Não compreendam mal estas palavras, eu até gosto (e muito) de futebol, mas sei o que o meu dia de hoje não vou ouvir falar de outra coisa. Talvez as sardinhas (de que eu não gosto mesmo nada) e o vinho carrascão e a música pimba dos arraiais de alfama, do castelo, da bica e de muitos outros locais de peregrinação popular em vésperas de Santo António me façam desenjoar um pouco da bola.

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

quinta-feira, junho 10, 2004

9:04 da tarde
Estreia

Acaba de estrear na blogesfera portuguesa o ABCine, vulgo Academia de Blogs de Cinema, do qual O Tronco da Teia é membro fundador. Discussão, polémica, dinheiro, fama e, muito possivelmente, sexo com estrelas de cinema, é o que podem ter se visitarem o ABCine. Toca a visitar e depois contem como foi.

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

terça-feira, junho 08, 2004

2:37 da manhã
A piada fácil

Interlúdio cinematografico-futebolístico. Já sabemos que Scolari é o irmão gémeo do Gene Hackman e que Camacho e o Padre Frederico são a mesmo pessoa. Que dizer então das parecenças entre o actor espanhol Javier Camara e o novo treinador do Sporting José Peseiro...


|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

domingo, junho 06, 2004

3:02 da tarde
Ronald Reagan
(1911-2004)


Já não deverá ser novidade para ninguém, mas morreu Ronald Reagan, o tal actor de filmes de série B que foi presidente dos EUA. Não vou falar do que Reagan fez como presidente, da sua política conservadora, do seu contributo para a escalada da Guerra Fria, do desenvolvimento da Guerra das Estrelas (não o filme, mas o programa de defesa) da sua Nancy (e do seu caso com Frank Sinatra), do seu possível envolvimento amoroso com Margaret Tatcher (não me digam que nunca aconteceu).
Não tenho memória de alguma vez ter visto um filme "starring" Ronald Reagan. Não era um actor de topo, não era um Gary Cooper, um Jimmy Stewart, um Cary Grant, um Humphrey Bogart. "Fui o Errol Flynn da série B", disse um dia Reagan, que apareceu em 55 filmes ao longo de 28 anos em Hollywood. Nunca foi nomeado para um Óscar, mas será o único presidente dos EUA com direito a uma estrela no passeio da fama e recipiente de um prémio dos Razzies, o "Worst Career Achievement Award". E foi no cinema que conheceu as suas duas esposas. Primeiro foi Jane Wyman, actriz de mérito, uma união promovida pela Warner Bros como o "All-American Couple". Depois foi a aspirante Nancy Davis, que acompanharia Reagan até à Casa Branca e que lhe sobreviveu.
Acreditem ou não, Reagan era, na sua juventude, um democrata e com ideias liberais, mas, a partir do momento em que liberal passou a ser sinónimo de comunista, tornou-se conservador e não se livrou da fama de colaboracionista durante a caça às bruxas de McCarthy.
Passemos uns anos e encontramos Reagan como governador da Califórnia pelo partido republicano, e daí à presidência foi um passo. Esteve lá dois mandatos. Disse Mário Soares sobre Reagan em entrevista à SIC: "Não era grande político, mas era um grande comunicador." Bob Hope garantia que era um grande contador de anedotas. Quanto a mim, sempre que penso em Ronald Reagan (não são muitas vezes), penso naquele teledisco dos Genesis, o "Land of Confusion", feito com bonecos tipo Contra-Informação. No final do teledisco, Reagan inicia, por engano, uma guerra nuclear porque carrega no botão para lançar um míssil nuclear (nuke) em vez de chamar a enfermeira (nurse).
De todos os filmes que Ronnie fez, o mais conhecido foi "Bedtime for Bonzo" (na foto), que eu nunca vi. Diz o PÚBLICO na sua edição deste domingo: "[Foi] o filme marcante da carreira cinematográfica de Reagan (...) porque Bonzo, o chimpanzé, era absolutamente muito melhor actor que ele."

P.S. - Pedimos desculpas por esta prolongada ausência, mas fomos raptados por uma seita religiosa. Já recuperamos da lavagem cerebral e estamos prontos para voltar a postar com regularidade em "O Tronco da Teia". Aproveito esta aportunidade para adiantar que foi criada uma comunidade de blogs de cinema, para o qual "O Tronco da Teia" foi convidado para ser membro fundador, mas não posso ainda divulgar o nome ou o endereço. Serão revelados aqui n' "O Tronco da Teia" no momento oportuno.

|

Por Eduardo D. Madeira Jr.

Blogs
Academy Members
Links
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

EMAIL aberto a crí­ticas, sugestões, ameaças de morte e declarações de amor EduardoMadeira

Últimas teias

Me aguardem... ::: Google works in mysterous ways VIII Pois é, as pe... ::: Tonight only "Moonfleet - O Tesouro do Barba Rui... ::: O melhor filme que vi em 2006 ::: James Brown (1933-2006)The Godfather of Soul. Tenh... ::: Uma prenda de mim para mim"Uma viagem com Martin S... ::: Google works in misterious ways VII Confesso que e... ::: A parceria Tirado do Jornal de Letras desta quinz... ::: A constatação Este blog nunca dará um livro... ::: Breaking News Esqueçam, para já, o festival de bla... :::

Teias cheais de teia

08/01/2003 - 09/01/2003 ::: 09/01/2003 - 10/01/2003 ::: 10/01/2003 - 11/01/2003 ::: 11/01/2003 - 12/01/2003 ::: 12/01/2003 - 01/01/2004 ::: 01/01/2004 - 02/01/2004 ::: 02/01/2004 - 03/01/2004 ::: 03/01/2004 - 04/01/2004 ::: 04/01/2004 - 05/01/2004 ::: 06/01/2004 - 07/01/2004 ::: 07/01/2004 - 08/01/2004 ::: 08/01/2004 - 09/01/2004 ::: 09/01/2004 - 10/01/2004 ::: 10/01/2004 - 11/01/2004 ::: 11/01/2004 - 12/01/2004 ::: 12/01/2004 - 01/01/2005 ::: 01/01/2005 - 02/01/2005 ::: 02/01/2005 - 03/01/2005 ::: 03/01/2005 - 04/01/2005 ::: 04/01/2005 - 05/01/2005 ::: 06/01/2005 - 07/01/2005 ::: 07/01/2005 - 08/01/2005 ::: 09/01/2005 - 10/01/2005 ::: 10/01/2005 - 11/01/2005 ::: 11/01/2005 - 12/01/2005 ::: 01/01/2006 - 02/01/2006 ::: 02/01/2006 - 03/01/2006 ::: 04/01/2006 - 05/01/2006 ::: 09/01/2006 - 10/01/2006 ::: 10/01/2006 - 11/01/2006 ::: 11/01/2006 - 12/01/2006 ::: 12/01/2006 - 01/01/2007 ::: 01/01/2007 - 02/01/2007 ::: 09/01/2007 - 10/01/2007 ::: 09/01/2008 - 10/01/2008 :::

O Blog do cinema esquecido, o bom e o mau. Por Eduardo D. Madeira Jr

Get awesome blog templates like this one from BlogSkins.com